Círculo Dourado, um segredo da comunicação?

 

O círculo dourado, do inglês golden circle, foi definido por Simon Sinek em seu livro “Starts With Why”. No livro, Simon busca explicar como ele acredita que as grandes empresas e líderes mundiais se comunicam e por quê a comunicação deles é diferente e mais efetiva do que a do resto.

O autor divide o círculo em 3:

1-800x350px_circulo-01

A parte mais externa do círculo é o “o quê”, que diz respeito a exatamente o que você faz de diferente, o que propõe de novo ao mercado. Na segunda parte vem o “como”, que é a forma como você resolve o problema que foi disposto no primeiro tópico. Na parte interna do círculo é que surge a estrela da festa, o “por quê”.

O “por quê”, na verdade, significa o seu propósito, sua causa, no que você (empresa/líder) acredita. Por isso, toda empresa deveria saber responder o seu por quê. Você poderia falar: para obter lucros, mas isso seria um resultado, e não a razão/propósito, portanto, defina o seu propósito de existência, que envolve todas as suas convicções.

Segundo o autor, na maioria das vezes as empresas se comunicam de fora para dentro do círculo, ou seja, primeiro falam o que elas fazem, depois como fazem para, só então, falar o por quê de fazerem. Por isso, Simon diz que as empresas que invertem esse círculo de comunicação são bem sucedidas, elas comunicam as razões de estar fazendo aquilo para depois usar o “como” e o “o quê” como provas do “por quê”.

1-800x350px_circulo-02

Para uma empresa ter o sucesso, ela deve conhecer profundamente as suas motivações e se comunicar a partir delas para fora do círculo, e não o contrário. Para Simon, as pessoas não compram o que você faz, elas compram por acreditarem no que você acredita, ou seja, elas compram de quem acredita no que faz, tanto quanto elas acreditam no que necessitam. Os mais bem sucedidos conhecem muito bem esse por quê e o utilizam de forma precisa em sua comunicação para conseguirem inspirar os consumidores, e não apenas para informar.

Um bom exemplo que o autor usa em sua palestra para ilustrar esse modelo de comunicação é o da Apple: ele defende que empresas “comuns” falam, por exemplo: aqui está o nosso novo carro (o quê), ele tem um excelente consumo, bancos de couro (como), compre nosso carro (por quê). Já a Apple se comunica de forma contrária: nós acreditamos que tudo o que fazemos é para desafiar o status atual (mudar as coisas, pensar fora da caixa), acreditamos que pensar diferente é o ideal (por quê). A forma como pensamos fora da caixa é projetando o design de nossos produtos da melhor forma possível, simples de usar e com a interface amigável (como), com tudo isso, lançamos nosso novo computador (o quê), compre um.

E aí, gostou da análise do Simon Sinek sobre o panorama atual dos grandes comunicadores? Confira também nosso post sobre o momento Eureka para ter outras ideias estratégicas. :)

Leave a reply